Web Summit: projetando o banco do futuro e o uso da Inteligência Artificial

Em outro palco de palestras do Web Summit Lisboa, ainda no dia 2 de novembro de 2021, o tema abordado foi sobre como as fintechs estão crescendo e as pessoas querendo automação para coisas que não querem fazer.


Por Bruno Zenatte



Em outro palco de palestras do Web Summit Lisboa, ainda no dia 2 de novembro de 2021, o tema abordado foi sobre como as fintechs estão crescendo e as pessoas querendo automação para coisas que não querem fazer.

Essa foi uma das informações reveladas no debate entre o americano Saul Van Beurden, chefe de tecnologia da Wells Fargo, e a colunista da Reuters Breakingviews, Karen Kwok, do Reino Unido.

Essa premissa tem como base os clientes que procuram soluções para facilitar sua rotina para coisas que são obrigatórias. Ou seja, elas sabem que tem que fazer, mas não querem.

Porém, a vantagem das fintechs em relação aos bancos é com relação à sua diferença de olhar para um problema que será revolvido. Além disso, o debate pontuou que a transparência das taxas é fundamental.

A novidade é que cada vez mais se tem utilizado da Inteligência Artificial (AI) e o processamento de linguagem natural. Nessa mesma linha, outras instituições estão criando a nova geração de inteligência artificial e que tem um suporte mais humano e também de influência. Isso ainda deve ser regulamentado, mas certamente ocorrerá.

Mesmo assim, o conteúdo da palestra trouxe outros destaques para fintechs com relação à segurança digital, mas buscando sempre o ecossistema de inovação, como, por exemplo, a facilitação do pagamento, além da integração da inteligência artificial.