Web Summit: o Facebook e a mudança da empresa para Meta

Nesta palestra, o tema foi a rede social do Facebook e sobre a mudança da marca para Meta, uma escolha com ênfase no metaverso.


Por Bruno Zenatte



Mais um dia de muita atividade e temas relevantes que uniram a conectividade e a tecnologia. Como sempre, é gigante a diversidade de palestras que temos à disposição no Web Summit Lisboa 2021. Impressionante.

São mais de 200 atividades e trilhas de conhecimento e saber. Por isso, selecionamos os principais temas para apresentar o que foi debatido neste momento e que está impactando o mundo inteiro.

São palestras simultâneas, com os principais nomes da tecnologia e de tendências, com uma organização incrível e tudo dentro do seu tempo. Esse é o Web Summit Lisboa.

Nesta palestra, ocorrida no dia 3 de novembro de 2021, o tema foi a rede social do Facebook e sobre a mudança da marca para Meta, uma escolha com ênfase no metaverso. Porém, o que Roger McNamee, cofundador da Elevation Partners e autor de "Zucked: Walking Up to the Facebook Catastrophe" e Laurie Segall, jornalista e fundadora da Dot Dot Dot, uma empresa de mídia que explora a tecnologia por meio da lente humana, tal mudança não está funcionando.

O Facebook está criando uma nova empresa e aproveitando a realidade virtual e a realidade aumentada, como uma grande oportunidade. Durante a apresentação, Roger e Laurie comentaram que o Facebook tinha uma meta de 1 bilhão de usuários e que, a partir disso, a empresa enxerga uma forma de pressionar o mercado de realizar parcerias com o Facebook. Fica a pergunta: será que com uma base tão gigante, teria como não virar negócio?

Outro ponto importante é com relação às leis de cada país e para as redes sociais. Os palestrantes disseram que é possível as redes sociais quebrarem essas regras, não financeiramente, mas pelas sim as legislações.