Varejo em disrupção: tendências que prometem revolucionar o setor e beneficiar varejistas e clientes

Entenda como o PIX e Open Banking vão transformar o segmento e a economia


Você sabe o que significa o termo “Varejo em Disrupção” e quais são as tendências que prometem revolucionar o setor varejista?

A tecnologia tem transformado os negócios e tais avanços estimulam tendências que prometem revolucionar o setor varejista. Com a necessidade de novos modelos de negócios para a fidelização e busca de mais clientes, surgiu o chamado varejo disruptivo. O nome está na moda e pode parecer diferente, mas as principais metas são exatamente as listadas acima: assegurar, com auxílio da tecnologia, a manutenção de mercado já existente e criar novas estratégias de venda.

Atualmente, ser disruptivo no varejo é sinônimo de atendimento omnichannel, com diversas formas de pagamento. Acima de tudo, é necessário buscar novos métodos que em um futuro próximo, significa estar alinhado com o metaverso, criptomoedas e blockchain, etc. Tendências que apareceram na NRF 2022 Retail’s Big Show, principal evento do segmento.

Falando em tendências, a Napp já apontou 10 tendências para o setor ficar de olho em 2022. Muitas já são realidade, outras estão cada dia mais valorizadas. Não custa ficar atento em estratégias que contribuem para a evolução do varejo!

Mas, além de tudo isso, há duas disrupções que prometem transformar o varejo em curto prazo. O PIX e o Open Banking são soluções que conversam entre si e devem não só revolucionar o mundo empresarial, como também trazer comodidades para o consumidor. Hoje, iremos falar sobre elas e destacar o:


  • PIX Saque;

  • PIX Troco;

  • Benefícios para o varejo;

  • Benefícios para o cliente;

  • Como deve ser a adesão e

  • Valores para as novas modalidades de PIX.



PIX Saque e PIX Troco

Falamos acima que é necessário ter diversas modalidade de pagamento, até porque o estilo dos consumidores varia bastante. Serviços que antes eram exclusivos de bancos e fintechs já estão à disposição do varejo, entre eles o pagamento via PIX. Mas, desde novembro, esse modelo de pagamento evoluiu. O PIX Saque e o PIX Troco já significam uma nova fonte de renda para varejistas, além de uma facilidade para os clientes.

O PIX Saque permite que o comprador saque dinheiro em espécie. Já o PIX Troco é a devolução em espécie para o consumidor que pagou um valor a mais via PIX, ou seja, também é uma maneira de sacar dinheiro depois de realizar uma compra.

As duas modalidades prometem fortalecer essa forma de pagamento instantâneo no varejo, já que o PIX ainda não é o meio mais comum no setor. De acordo com informações do Banco Central, somente 16% das transações por PIX são entre pessoas e empresas (P2B), o que representa apenas 10% dos valores recebidos pelos estabelecimentos comerciais.


Open Banking

Toda essa comodidade, está alinhada com o Open Banking. Trata-se de um sistema de compartilhamento de dados financeiros de maneira padronizada, que utiliza uma única API, ou seja, uma plataforma integrada e segura que tem acesso aos dados de clientes de diferentes instituições bancárias. Dessa forma, é possível oferecer serviços e produtos cada vez mais vantajosos e personalizados. E as vantagens não param por aí.


Mais tendências do setor varejista e benefícios para clientes

Já deu pra perceber que há muitas vantagens para os dois lados: varejo e clientes. Estabelecimentos que realizarem a adesão ao PIX Saque e ao PIX Troco, se tornarão centros de conveniência. Muitos clientes passarão a fazer saques em lojas e a possibilidade de consumirem nestes locais é grande.

Oportunidades de negócios e também de marketing para essas empresas, que poderão atrair novos clientes, diversificar os negócios, criar novas estratégias, etc. Isso tudo com baixos custos, além da loja ganhar uma porcentagem por cada transação.

Para os clientes, os benefícios aparecem principalmente no formato de facilidades, por exemplo: Encontrar um local mais próximo para sacar dinheiro, realizar transações financeiras e estabelecimentos cada vez mais preparados para o consumidor encontrar aquilo que procura.

Como deve ser a adesão?

É fácil aderir às novas modalidades de PIX. Para tanto, o estabelecimento precisa entrar em contato com seu banco, que por sua vez, fica responsável em fazer a ponte com o Banco Central. Para empresas que já aceitam PIX, será necessário alinhar um ajuste no contrato.

Após a adesão ao PIX Saque e ao PIX Troco, o ponto comercial poderá ser rastreado pelos consumidores por meio de aplicativos. O que é outro benefício, já que a plataforma informará onde o serviço está disponível utilizando a geolocalização.


Valores das novas modalidades de PIX

Em conclusão, se tratando de serviços financeiros, segurança é prioridade, o limite máximo das transações do PIX Saque e do PIX Troco é de R$ 500 durante o dia e R$ 100 à noite (entre 20h e 6h). Mas vale frisar que os lojistas terão autonomia para trabalharem com limites menores e, caso optem por outros valores, precisam informar às instituições financeiras.

Lá em cima falamos que o metaverso é uma forte tendência do varejo disruptivo. Se você não clicou naquele hiperlink, está aqui a oportunidade de saber mais sobre o revolucionário metaverso.




Informações para Imprensa:

Ricardo Missão | Jornalista

ricardo.missao@nappsolutions.com